Galícia Educação

TC dá um novo passo para se tornar ‘One Stop Shop’ do Mercado Financeiro.

Felipe Pontes TC

Por Pedro Figueiredo
A TC, antiga Traders Club, anun­ciou no último mês de julho um acordo de aquisição de partici­pação na Galícia Educação, escola de negócios com cursos de Gestão e Coaching. Um dos al­vos da companhia é o segmento de assessores. Na visão de Felipe Pontes, sócio e diretor educacional da TC, este mercado necessita de uma boa preparação para entregar melhores resultados. Para isso, a escola vai oferecer cursos em duas frentes: finanças e tecnologia.

A expansão no setor educacional, juntamente com a entrada no ramo de corretoras, faz parte do projeto da empresa de oferecer maior quantidade de serviços e se tornar uma stop shop. “O investidor entra e não precisa mais sair, nós temos dados, educação, inteligência de mercado, notícias, a comunidade. Só faltava uma coisa: transação. Agora com a corretora daremos esse passo”, conta em entrevista à CRC!News.

As primeiras conversas se deram a partir do contato entre Pontes e o investidor anjo da escola. As negociações ganharam reforço com a chegada de Pedro Henrique Feres, CEO da TC lnvestimentos, corretora do grupo que também havia investido na rodada inicial de captação de recursos da Galícia. Após esse processo, a TC resolveu investir R$2 milhões na escola.

Estabelecida como uma empresa de educação financeira, a Traders Club oferece um conceito de transmissão de conhecimentos diferente. “As pessoas estão acostuma-das a sentar em uma sala e ouvir alguém falar por 40 minutos, e depois voltam para casa e tentam aplicar sozinhos o que aprenderam”, explica Felipe. Como comunidade de educação, a instituição busca levar ensinamentos de maneira ininterrupta.

Pensando nisso, a Galícia chega para complementar o ecossistema da empresa, no primei­ro momento oferecendo cursos de pós-graduação, o chamado MBA. Um dos diferenciais é o viés tecnológico dos cursos. Felipe exemplifica que no curso de governança corporativa é possível simular reuniões de conselhos de administração com o auxilio de óculos de realidade virtual.

“Atores gravam a cena de uma reunião e acontece uma situa­ção constrangedora, ou que não é aceitável hoje em dia, e o aluno deve tomar uma decisão, fazen­do com que o filme tome uma di­reção ou outra”, conta.

Pesquisador de carreira, Felipe ainda tem interesse em trazer para o setor educacional da companhia pós-graduação lato sensu, com o objetivo de formar pesquisadores que possom aliar inovação e tecnologia ao mercado.

Fonte: Edição 49 – “Nosso primeiro pilar é a resiliência operacional” (crcnews.com.br)

Compartilhe:

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos
Fique por dentro
Inscreva-se em nossa Newsletter

Sem spam, somente artigos.

Aprofunde seu conhecimento
Artigos relacionados